Se você não precisa de mais conexões e fidelização de seus clientes, este post não é para você!

Arquétipo, do Grego, é um conceito criado pelo suíço Carl Jung, que significa o princípio, o primeiro modelo de todos, aquilo que gera a impressão de alguém ou e alguma marca. São conjuntos de imagens primordiais que dão sentido às historias passado entre gerações, formando o conhecimento e o imaginário do inconsciente coletivo. 

Eles são analisados e amplamente estudados em alguns campos como na psicologia analítica, na filosofia e também na publicidade. Nesta última, organizações investem na criação de marcas fortes seguindo o conceito de arquétipos, que ajudam a satisfazer algumas necessidades primordiais do público alvo.

De acordo com Jung, os arquétipos se originam de uma constante repetição de uma mesma experiência, durante muitas gerações. Eles são as tendências estruturantes e invisíveis dos símbolos.

Na comunicação, especialmente na publicidade, cada vez mais as empresas utilizam nas logomarcas a psicologia para atrair os consumidores, onde oferecer a melhor experiência de um produto pode exigir mais que somente qualidade. As organizações investem para oferecer também conceito, experiência positiva e qualidade de vida ao público alvo. Agora estamos vivendo o marketing 4.0, onde a inserção de novas tecnologias e a utilização da internet no dia a dia estão moldando nossos comportamentos e afetando todos os setores da sociedade. Essa nova era de compartilhamento, torna o marketing ainda mais centrado no cliente e em suas novas características.

E neste contexto, os arquétipos ajudam a satisfazer algumas das principais necessidades, como a realização, a independência e a estabilidade. Assim, na SOUL Inteligência Criativa utilizamos esta ferramenta para ajudar a criar a identidade visual de marcas fortes, atraindo e oferecendo ao público alvo o que realmente esperam. Criar uma imagem arquetípica, ajuda a definir o comportamento e tom da marca e, assim torna-se possível melhorar a identificação dela com os consumidores, por meio da criação de perfis, onde personas incorporam formas e hábitos de uso de produtos e serviços.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Im-Portfolio-1024x731.jpeg

Você sabe quais são os arquétipos? Com qual arquétipo a sua empresa mais se identifica? São 12 os tipos de arquétipos. Vamos conhecer brevemente cada um deles?

Inocente:

– Desejo: viver no paraíso com felicidade;

– Medo: errar e ser punido;

– Estratégia: fazer as coisas da maneira correta.

– Exemplos de marcas: Johnson’s (linha de higiene), Veja (linha de limpeza);

– Exemplos de filmes: Forest Gump, Titanic.

Explorador:

– Desejo: liberdade para viver sua descoberta, mundo afora;

– Medo: ficar preso a uma situação ou se acomodar;

– Estratégia: viajar, buscar coisas novas e fugir do tédio e da rotina.

– Exemplos de marcas: Levis, McDonalds, Starbucks;

– Exemplos de filmes: Mad Max, Clube da Luta.

Sábio:

– Desejo: alcançar a felicidade através do conhecimento e da verdade;

– Medo: ser enganado, iludido ou ser ignorante;

– Estratégia: buscar o autoconhecimento e desenvolver habilidades.

– Exemplos de marcas: livros técnicos, Discovery Channel;

– Exemplos de filmes: Efeito Borboleta, filmes de investigação 007.

Herói:

– Desejo: provar seu valor por meio de ações corajosas e difíceis;

– Medo: ser fraco ou vulnerável;

– Estratégia: ser o mais competente e corajoso possível.

– Exemplos de marcas: Nike (Just do it – quebre as regras, seja o melhor) FedEx (confie em mim, eu garanto);

– Exemplos de filmes: Guerra nas Estrelas, Rambo.

Rebelde ou Fora da Lei:

– Desejo: revolução ou vingança;

– Medo: ser comum ou não ter poder;

– Estratégia: quebrar, destruir e chocar.

– Exemplo de marcas: Harley-Davidson, Apple, MTV;

– Exemplo de filmes: O poderoso chefão, Bonnie & Clyde.

Mago ou Mágico:

– Desejo: conhecer e dominar as leis que regem o universo e as coisas;

– Medo: consequências negativas e inesperadas;

– Estratégia: desenvolver uma visão.

– Exemplo de marca: Mastercard.

Exemplos de filmes: Harry Potter, O senhor dos Anéis, O Mágico de Oz.

Cara Comum:

– Desejo: estabelecer conexão com os outros;

– Medo: não ser aceito, ser rejeitado por suas ideias;

– Estratégia: nivelar-se utilizando virtudes comuns.

– Exemplos de marcas: Cerveja Brahma (“sou brahmeiro” características de grupo);

– Exemplos de filmes: Karatê Kid, Diário de Bridget Jones;

Tolo ou Bobo da corte:

– Desejo: viver a alegria do momento;

– Medo: se tornar maçante;

– Estratégia: brincar e ser agradável.

– Exemplos de marcas: Mc Donalds, Bobs;

– Exemplos de filmes: Patch Adams, Crazy People.

Amante:

– Desejo: conectar-se aos outros através da sensualidade;

– Medo: ser rejeitado;

– Estratégia: tornar-se atraente, física e emocionalmente.

– Exemplos de marcas: Playboy, Coco Chanel;

– Exemplos de filmes: Don Juan, a um passo da eternidade.

Criador:

– Desejo: criar algo de valor duradouro;

– Medo: ter ideias medíocres ou ser medíocre na execução;

– Estratégia: desenvolver controle e aptidão na área artística.

– Exemplos de marcas: Apple, Disney, Ikea;

– Exemplos de filmes: Muppets, Vila Sésamo, Toy Story.

Governante:

– Desejo: ter controle;

– Medo: o caos, o golpe;

– Estratégia: exercer a liderança.

– Exemplos de marcas: Microsoft, Cadillac, Porto Seguro;

– Exemplos de filmes: A rede social, Wall Street, A Dama de Ferro.

Prestativo:

– Desejo: proteger os outros do mal;

– Medo: egoísmo, ingratidão;

– Estratégia: fazer coisas pelos outros.

– Exemplos de marcas: Evernote, Buscapé;

– Exemplo de filmes: 3 solteirões e um bebê, A felicidade não se compra, Uma babá quase perfeita.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é hm1-1024x683.jpeg

As marcas, assim como nós, não são criadas ou percebidas com uma única característica permanente e imutável, é muito comum ao entendermos os arquétipos, identificarmos mais de um perfil para elas. Quando o arquétipo referente a seu público e identidade da marca é bem definido, torna-se mais fácil reconhece-lo pelo inconsciente coletivo, ativando assim os gatilhos mentais corretos.

E você? Qual arquétipo acha que combina mais com sua marca? Você se identifica com o arquétipo do produto que você usa? Na SOUL Inteligência Criativa criamos arquétipos e desenvolvemos personas para fortalecer sua conexão com consumidor.

Gostou do post? Curta, compartilhe e deixe o seu comentário.

Ian, da Soul.

Curtiu o texto?

Aqui é o Ian, formado em Administração de Empresas pela UFU (Universidade Federal de Uberlândia – FAGEN), sou designer especialista em Criação de Identidades Visuais, Rótulos e Embalagens. Com mais de 5 anos de experiência, já trabalhei com marcas nacionais e internacionais.

Outros posts

Os meus dias após o livro “Roube Como Um Artista”

Como “devorador” de bons livros que me tornei, estava ansioso para ler “Roube como um artista”. Comprei numa segunda, chegou na quarta da mesma semana e, no sábado, já tinha acabado de ler! Me deleitei com cada capítulo, com muita atenção e entusiasmo. Anotei o que achei interessante e lotei ele com post-its (como faço […]

Ler mais

Eu sou FODA! E você?

O que é ser FODA para você? Hoje quero falar sobre uma provocação bem humorada que carrega um termo não muito comum de ser usado no meio empresarial, mais que certamente tem a capacidade de nos levar a reflexão sobre quem somos, o que temos feito, e no que queremos nos transformar em nossa trajetória. […]

Ler mais

Mais do que uma linha de produtos, o engajamento em uma causa!

Num momento onde o consumo consciente vem sido estimulado e levado cada vez mais a sério, várias marcas têm investido em produtos reciclados e sustentáveis, com o propósito de gerar o menor impacto possível ao planeta. Desde sabonetes, shampoos em barra, sacolas de mercado, t-shirts, escovas de dente, canudos de bambú, eco-bags, copos, coleções de […]

Ler mais

O que faz o seu cliente te querer?

Este artigo tem o objetivo de levantar uma importante reflexão sobre quais são os valores intrínsecos que passaram a ser essenciais para os negócios dentro do contexto das mudanças sociais que estamos vivendo. Reflita sobre isso! Hoje, para que se tenha sucesso nos negócios, as empresas devem ser capazes de gerenciar as expectativas de seus […]

Ler mais