Respostas às minhas reflexões

Hora e outra, durante minhas aulas no Curso de Comunicação e Marketing onde fui docente, acabava citando alguns marcos da história, que acabaram por ser start para transformações na história da humanidade, e que sempre deflagraram a origem de uma nova sociedade, e de novos tempos. A 1ª Guerra Mundial, que aconteceu em virtude de conflitos entre as grandes potências de todo o mundo, e quase 20 anos depois, a 2ª Guerra Mundial, quando as principais Nações envolvidas, dedicaram toda sua capacidade econômica, industrial e científica a serviço dos esforços da guerra, foram muitas vezes meus exemplos como marcos destes processos de transição da sociedade.

Não é algo tão inesperado, esperar o outro momento de grande transformação, que muito provavelmente, chegasse com o anuncio da 3ª Guerra Mundial, e que, de fato, a cada dia que se passava, parecia estar mais perto!

Pois bem, 75 anos se passaram depois do fim da 2ª Guerra Mundial e, de forma quieta, com outras motivações e interesses, porém munida de armas letais, tenho muitos motivos para acreditar que sim, estamos em meio a este grande campo de batalha, que vou chamar de 3ª Guerra Mundial Silenciosa. Um momento de transformação da humanidade, onde os soldados que hoje lutam, não são só militares, e não vestem fardas. Aliás, na maior parte são civis, à paisana, sem qualquer título ou credencial, sem medalhas ou honras, sem brasões ou patentes, e que, se quer se deram conta que estão nessa batalha, e que são peças chave e decisivas na estratégia e na tática que vão conquistar a vitória, ou render-se à derrota desta vez.

Essa 3ª Guerra Silenciosa, não é entre Países ricos lutando contra outros Países ricos, só em busca de mais riquezas materiais. O País mais forte dessa vez, e que tem mais chance de se transformar e vencer o inimigo invisível, não terá que investir em armas de fogo ou em armamentos nucleares, mas sim em ciência, na saúde, na infra estrutura, no respeito pelo outro, e na tecnologia a favor da vida humana. O verdadeiro inimigo, já está e habita entre nós, e não morre com bombas e tiros… ele é invisível e sagaz!

Essa Guerra trouxe à tona a inversão de valores, onde os Países mais ricos e poderosos, não estão necessariamente em vantagem. Petróleo sem consumo, não tem mais a supremacia como moeda de troca, o ouro hoje não é sólido, nem líquido, é em gel, usado como arma de proteção e forma de sobrevivência contra o inimigo. O consumo desenfreado e inconsciente foi freado, as viagens pelo mundo canceladas, as reuniões presenciais desmarcadas, e os planos a curto e médio prazo parecem estar congelados, como numa brincadeira de estátua, esperando a hora de descongelar, com a esperança inocente de que tudo, tudo voltará a ser como era antes.

O trabalho ficou inacabado no escritório, as lojas foram fechadas às pressas, os funcionários dispensados, e parece mesmo que, de uma hora pra outra, o mundo parou, e agora, não sabemos bem o que fazer com isso. Para os que ainda não caíram na real, parece até que está sobrando tempo, e este é mesmo só um tempinho de tirar proveito e vantagem do que dá pra tirar.

O mais interessante é que, precisou que isso acontecesse para entendermos que, de fato, o que importa não é o dinheiro ou o poder que temos ou deixamos de ter. Dinheiro hoje não é sinônimo de cura, não salva e não paga as contas morais e éticas que ficaram pra traz. Precisou acontecer para que famílias começassem a valorizar mais os seus entes com o distanciamento social, e entenderem que distância não existe quando se ama, e que longe, é um lugar que não existe, exceto quando acreditarmos que existe.

Diferente das outras, a Guerra Silenciosa que enfrentamos hoje é lutada todos os dias, por traz de máscaras, álcool em gel, água e sabão, algumas vezes trocando as trincheiras pelos “abrigos” dos sofás de casa, por meio de respiradores nos escassos quartos de Hospitais, outras vezes na lida de quem trabalha para não deixar o mundo parar, mesmo com a sensação que algo muito maior está por acontecer. Seja de onde for, nos guardamos com a esperança de sairmos, mais sábios, mais jovens, mais prontos, com outra visão de vida, ou, quem sabe, ao menos vivos.

Na antagonia poética e dramática deste momento, em tempo de guerra, tempo de paz, em tempo de espera, é tempo de pensar, repensar e reaprender para recomeçar e renascer!

Afinal, o que vence a Guerra é atitudesabedoriaentrega, é a verdadeira fé e, acima de tudo, o amor!

Ana Lahor, da Soul.

Curtiu o texto?

Olá, sou a Ana Lahor, graduada em Publicidade & Propaganda, com MBA em Gestão em Comunicação e Marketing pela USP/ECA, ministrei aulas em Universidade por 12 anos. Habilitada em Coaching e Consultoria, atuei nas áreas de Treinamento e Gestão junto a American Express do Brasil. Fui Diretora Comercial, de Marketing e Atendimento em algumas Agências de Publicidade e Produtora de Vídeos na Cidade de Uberlândia MG.

Criei a Soul em 2010 e, em 2020 por influencia do meu sócio e também Diretor, Ian Lahor Amato, transformamos a agência em um estúdio disruptivo, com uma proposta inovadora de serviço. Venha nos conhecer e surpreenda-se!

Outros posts

Os meus dias após o livro “Roube Como Um Artista”

Como “devorador” de bons livros que me tornei, estava ansioso para ler “Roube como um artista”. Comprei numa segunda, chegou na quarta da mesma semana e, no sábado, já tinha acabado de ler! Me deleitei com cada capítulo, com muita atenção e entusiasmo. Anotei o que achei interessante e lotei ele com post-its (como faço […]

Ler mais

Eu sou FODA! E você?

O que é ser FODA para você? Hoje quero falar sobre uma provocação bem humorada que carrega um termo não muito comum de ser usado no meio empresarial, mais que certamente tem a capacidade de nos levar a reflexão sobre quem somos, o que temos feito, e no que queremos nos transformar em nossa trajetória. […]

Ler mais

Mais do que uma linha de produtos, o engajamento em uma causa!

Num momento onde o consumo consciente vem sido estimulado e levado cada vez mais a sério, várias marcas têm investido em produtos reciclados e sustentáveis, com o propósito de gerar o menor impacto possível ao planeta. Desde sabonetes, shampoos em barra, sacolas de mercado, t-shirts, escovas de dente, canudos de bambú, eco-bags, copos, coleções de […]

Ler mais

O que faz o seu cliente te querer?

Este artigo tem o objetivo de levantar uma importante reflexão sobre quais são os valores intrínsecos que passaram a ser essenciais para os negócios dentro do contexto das mudanças sociais que estamos vivendo. Reflita sobre isso! Hoje, para que se tenha sucesso nos negócios, as empresas devem ser capazes de gerenciar as expectativas de seus […]

Ler mais